quinta-feira, 28 de abril de 2011

Não somos mais descamisados.

É pessoal , agora o nosso Moto Grupo esta bonito!!! Ontem (27/04/2011) nos reunimos no Alameda Shopping, em Taguatinga



O encontro tava tão descontraído que teve um pessoal que aproveitou para tomar uma Devassa.
Eu e o Gilson deixamos a Devassa para uma outra hora, bebida e moto na estrada não combinam ,tomando uma Devassa então... imagine o que iria virar!!!!Rsrsrsrsrs



Nossa ia me esquecendo!!! Fiquei tão animada com as camisetas. Adivinhem...estamos com banco novo!!!! E que banco!!!!!
Sem exagero parece que saí de um banco de toco para um sofá com massageador. Rsrsrsrsrsrs. MA-RA-VI-LHO-SO. Ele além de ser bemmmmmm mais macio , a garupa fica um pouco mais alta.
O banco da Mirage original só serve para quem não quer ter companhia na moto, porque é uma tortura principalmente para a garupa .
Fui e voltei faceira com o banco novo.. Um dos melhores investimentos que você pode fazer na sua Mirage é trocar de banco.
Bom pessoal, com camiseta nova do nosso Moto Grupo, banco novo, só posso dizer que estamos muiiito felizes, agora é só aguardar sábado, que estarei postando mais novidades. Ainda não tirei foto do banco novo, mas na próxima postagem vou ver se coloco OK.
Até...

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Feriado tem que ter passeio de moto!!!

Feriadão que se preze tem que ter voltinha de moto. Aproveitamos o sábado de Aleluia para se reunir com nosso Moto Grupo Mirageiros do DF . Nossa programação era dar uma passada no 1º MotoFest em Cocalzinho de Goiás, passar pelo Salto de Corumbá, almoçar em Corumbá de Goiás e só para variar uma paradinha no Jerivá para comprar pamonha. Rsrsrsrsrs...
Logo cedo nos encontramos na Polícia Rodoviária da Estrutural. Um momento de expectativa, para saber quem pulou da cama cedo para aproveitar o passeio com a gente.
Como no passeio anterior o grupo estava grandinho e animado. Depois de dar bom dia para todos, ouvir as orientações de como seria o trajeto e os procedimentos de segurança, seguimos pela BR 070.



A estrada até que estava tranquila levando em conta o feriado. Um pouco antes de chegarmos a Cocalzinho demos uma paradinha para esticar as pernas, tirar fotos ,tomar uma água...Seguimos em frente, tão em frente que passamos de Cocalzinho e já estávamos praticamente na entrada de Corumbá de Goiás. Demos a volta rumo a Cocalzinho.

Cocalzinho é uma cidade bem pequena, nosso objetivo era prestigiar o 1ºMotoFest. Chegamos à cidade e apesar de pequena tivemos dificuldade de encontrar o evento. Até que pergunta daqui, pergunta de lá encontramos o galpão onde estava sendo realizado o Motofest. Pouquíssimas pessoas, por ser um evento pequeno, sentimos falta da acolhida, ficamos quase uma hora por lá. Na realidade nem vale ficar criticando, não deve ser nada fácil montar um evento. Sempre tem que ter um começo. Então parabéns para quem teve a iniciativa.





Saímos de Cocalzinho e fomos para o Salto de Corumbá, demos mais uma parada para as fotos e seguimos para Corumbá de Goiás. Almoçamos em um restaurante bastante simples, mas a comida estava gostosa e para os encalorados tinha central de ar. Aliás, o sol estava radiante!!!
Almoçamos, enrolamos um pouco e pegamos a estrada novamente, desta vez voltamos pela BR 060, tivemos que pegar o desvio como da outra vez, mas foi tranquilo. Paramos no Jerivá, para comprar nossas pamonhas, lanchamos, trocamos idéias e pegamos estrada novamente para casa.










Nosso passeio foi muito tranquilo, as paisagens da região são muito bonitas com direito a cachoeiras, lagos, cidadezinhas na beira da estrada. Demos a última paradinha no Posto Asa Branca já no DF. Todo mundo estava cansado, doido para esticar as pernas, foram em média 300 km rodados. Neste ponto nos despedimos já pensando onde será nosso próximo passeio.







Não adianta, a gente pode ficar com o corpo cansado, enfrentar poeira, chuva, mas a paixão por rodar nas estradas só aumenta.!!!
Esta semana estaremos recebendo nossas camisetas oficiais do Moto Grupo Mirageiros do DF. Final de semana que vem se Deus quiser estarei postando mais novidades.
Até breve...

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Moto Grupo Mirageiros do Distrito Federal

Nós estamos bastante animados porque enfim o Moto Grupo Mirageiro do DF, se torna realidade.
Ontem tivemos uma reunião animada na casa do Ademir que nos recebeu hiper bem. Cervejinha, vinho, suco, porções de frios. Agora ele tá ferrado, vamos querer a reunião só na casa dele!!!!Rsrsrsrsrsrs. Mas falando sério, ele e sua esposa foram de um gentileza incrível.

Pra variar chegamos atrasados e para variar mais ainda, demoramos para encontrar o local. Fomos salvos pelo GPS.


O Alder e a Juliane um pouco antes de pegarmos a estrada para irmos à reunião nos ligaram, para irmos juntos. Achamos ótima a idéia. Só que cada casal imaginava que o outro sabia o caminho.kkkkkk. Mas no fim foi tranquilo, conseguimos chegar.

Todos animados, decidindo o local onde seria confeccionada as camisetas, o brasão, adesivos, decidindo alguns detalhes para que o nosso Moto Grupo inicie realmente com o pé direito! Outro assunto que não poderia faltar na nossa pauta é o nosso próximo passeio que será no 1° MOTOFEST em Cocalzinho de Goiás/GO. Iremos marcar presença por lá, passar pelo Salto de Corumbá, Corumbá de Goiás, na volta a parada estratégica no Jerivá. A programação certinha esta no site do nosso Moto Grupo http://www.mirageiros.com/
Então já sabem, brevemente estarei postando sobre nosso passeio no sábado.
Aguardem!!!


quarta-feira, 20 de abril de 2011

Um texto interessante de Ricardo Lugris, sobre a importância da Garupa para o Piloto

GARUPA, OU CO-PILOTO?

Hoje, quero falar da categoria mais injustiçada no motociclismo:

O GARUPA, que eu aqui vou preferir chamar de PASSAGEIRO.

Vou começar falando da experiência viajando junto com minha mulher como passageira centenas de milhares de km.

Eu, pilotando a moto e ela ali, fiel, coladinha em mim, acreditando e confiando em tudo o que eu faço durante horas e horas em muitos horizontes.

Foi sempre assim? Ela nasceu sabendo o que fazer em cima de uma moto ?

A coisa é simplesmente terminar de arrumar a bagagem e as valises, colocar tudo na moto e, no espaço que sobrar, você coloca a sua passageira?
(Aliás, tem muitos que ainda instalam uma mochila enorme nas costas da pobre parceira...)

Nada disso. Stop. Vamos retomar o assunto.
Quanto tempo nos últimos anos você gastou com sua passageira para explicar como funciona o princípio da motocicleta?

Lembro de um amigo que, vendo com admiração nossas viagens, minha mulher e eu ali, juntos, enfrentando as fronteiras desse mundo, me disse:

Ah, você é tem sorte, minha mulher não quer mais nem saber da moto....
E eu pergunto: E você tentou fazer com que ela goste?
Claro! Levei ela comigo de Sampa a Campos do Jordão em um domingo na minha DUCATI Monster super esportiva.
Foram somente 400 km, ida e volta e chovia um pouco....
Ela tinha bom equipamento?
Bem, uma jaqueta de nylon e bons tênis Nike, sem luvas.

Seguramente ela voltou cansadíssima, irritada, molhada e gelada.
Nunca mais. Ele perdeu ali a parceira para a moto.

Essa história caricatural é um pouco o que acontece com muitos motociclistas que colocam suas parceiras em uma moto pela primeira vez, como se coloca alguém que vai fazer Paraglider começando pela Pedra da Gávea....

Com minha mulher, pelo simples fato de que ela não sabe nem andar de bicicleta, inciamos muito suavemente a fazer passeios de 1h, passeios de uma tarde, de um fim de semana e, quando ela mal percebeu, estava indo comigo da França até a Rússia, 8500 km!

Um pouco como a história do Paraglider, você começa baixinho e, quando percebe, já está saltando do topo de uma montanha.

Acredito que sua garupa pode ser muito mais do que outra peça de bagagem: Ela pode ser seu co-piloto.

Quando a gente viaja, vai vendo passar aqueles inúmeros quilômetros com relativa facilidade. Estamos ocupados pilotando a moto, verificando o computador de bordo, brincando com o GPS, calculando quantos kms faltam para a próxima pausa, etc.
Enquanto isso, nossa parceira faz o que? Não faz nada.

Fica ali, olhando a paisagem, se houver uma e se ela tiver altura suficiente para poder ver por sobre o seu ombro e pensando o que ela está realmente fazendo ali... Fidelidade, meu caro, tem limite.

Foi aí que minha mulher e eu começamos a desenvolver idéias para que a viagem de moto tenha para ela a mesma dimensão que tem para mim.

Vamos ver se eu consigo enumerar algumas dessas técnicas, se é que podemos chamá-las assim:


Um bom sistema de comunicação leva a uma boa conversa
Intercomunicador nos capacetes – Importante poder conversar. Esse negócio de sua parceira ter que te dar um “cascudo” no capacete para te dizer que quer parar para fazer xixi é muito tosco. Não serve em uma viagem de várias semanas.

Além do mais, você aproveita a estrada para levar aquelas conversas longas e colocar em dia um monte de “probleminhas” do casal.

Lembre-se que ela não vai poder abandonar a conversa pois vocês estão a mais de 100 km/h na estrada. (a Daehr, alemã fabrica um equipamento muito bom, fácil de instalar em qualquer capacete. O meu, ainda é por cabo, com cada um de nós conectados na moto).



Equipamento compatível com o tipo de viagem para ambos.
Equipamento pessoal – Ela tem que ser o mesmo equipamento seu. No nosso caso, minha mulher e eu usamos o mesmo material e variamos a cor. Assim, quando chover, fizer frio, calor, neve, poeira, vento, etc. O que você sofrer, ela sofre (ou não) da mesma forma. Se você estiver bem protegido, ela o estará também.

No meu caso, como uso a Jaqueta Rallye Pro 3 da BMW, tenho um grande bolso nas costas que minha mulher usa como depósito para colírio, batom, mentas, chocolate, creme hidratante e todas essas coisas absolutamente essenciais que as mulheres insistem em levar com elas. (Deixe ela levar, você nunca sabe quando vai bater aquela abelha no seu olho e você vai precisar daquele colírio esperto que ela carrega...)



Bons capacetes fazem a diferença
Vigilância na estrada – Minha mulher comparte comigo o espelho retrovisor esquerdo. Faço a regulagem do espelho de forma a que nós dois possamos ver o que nos segue ou o que tenta nos ultrapassar. Combinamos que uma leve pressão de sua mão na minha cintura indica que estamos sendo ultrapassados ou que vem um carro, pela direita, ou pela esquerda segundo o lado da pressão. Várias vezes ela me tirou do aperto pois, está claro que quatro olhos vem muito melhor do que apenas dois.

Fotos – A maior parte de nossas viagens se passa em pequenas estradas do interior. Assim, temos tempo de apreciar a paisagem e estamos todo o tempo comentando o que vemos e o que está acontecendo ao nosso redor.

Uma das atividades que minha mulher mais gosta enquanto rodamos por esse mundão é a de fotografar a paisagem. No final do dia, revisamos as fotos e apagamos aquelas que não servem. Mesmo assim, muitas fotos registram lugares que passamos e que não tínhamos percebido sua beleza.


Trabalho de equipe a dois
Navegação e Planejamento – Planeje com ela as etapas. Nossa parceira pode ajudar enormemente na navegação. Você pode colocar, aplicado com velcro, um porta-mapas nas costas de seu blusão e sua parceira pode ajudá-lo a localizar-se. Esta ajuda é muito bem vinda mesmo quando você tem um GPS instalado.

Bagagem – Comparta a organização da bagagem. Mulheres são em geral mais organizadas do que nós. Proximamente escreverei sobre a viagem a dois e a bagagem.

Abastecimento e pagamento - Um abastece, o outro vai pagar o posto de gasolina, etc.


Cada um viaja com sua garupa como acha melhor
Pausas de descanso – Veja com ela qual o limite do conforto das etapas entre pausas de descanso. Em solo, você pode fazer 3 ou 4 horas sem parar, a dois, você deve ser muito mais freqüente. Acostume-se a parar a cada 1:30 h com 15 minutos apenas de pausa. A viagem vai render muito mais.

As idéias acima são apenas algumas sugestões para fazer de sua viagem com sua parceira uma atividade em equipe. Com isso, você terá em sua passageira alguém muito mais disposto a enfrentar os desconfortos de uma viagem de moto.

Ela será parte da viagem e o prazer será muito mais do que o dobro.

Lembre-se: Se ela estiver descontente, sua viagem vai ficar muito mais longa e nem um pouco divertida... A moto é um espaço demasiado pequeno para desentendimentos.

Depois destes comentários, deixe-me lembrá-los que para nós motociclistas, rodar em moto é algo praticamente evidente e óbvio. Estamos fazendo isso há anos e temos a experiência para chegar onde chegamos.

Se você convidar alguém para viajar junto que não está habituado à motocicleta, lembre-se de tomar seu tempo para lhe explicar as suas regras de segurança, cada um tem as suas. Explique a ele/ela quando e como subir e descer da moto, como se comportar em caso de aceleração, de frenagem, em curva, com a moto parada, etc.

Explique tudo isso antes de sair, sem o capacete e sem pressa.

Seja amável com ela e certifique-se que ela entendeu as suas explicações.

Uma vez que vocês estejam prontos, enquanto a moto esquenta o motor, verifique se seu capacete está bem colocado e que a jugular está bem fixa mas sem apertar, o colarinho do casaco fechado, luvas ajustadas, a calça cobrindo as botas e as mangas bem ajustadas para evitar a entrada de frio.

Lembre-se que sua parceira está mais exposta ao frio e à chuva do que você e precisa ser protegida não só contra esses elementos mas também no eventual caso de uma queda. ( Não gosto de falar disso mas é sempre uma possibilidade).


Nossas parceiras bem equipadas
No caso de uma garupa de “primeira viagem”, faça um esforço para nos primeiros minutos assegurar uma conduta suave, sem acelerações bruscas e mais lentamente do que de hábito para você.
Um bom motociclista saberá dar confiança a seu passageiro e seguramente não conduzirá a moto da mesma forma que quando está em solo.

O passageiro, ou a passageira, deverá poder se manter na moto sómente apoiada por suas pernas, sem ter que se segurar no apoio lateral ou no piloto.

Um bom e simples teste para isso é que o garupa possa se levantar um pouco da sela, descolando o traseiro, sem usar suas mãos. Faça esse teste com ela.

Um dos melhores exemplos de trabalho em conjunto entre piloto e passageira que vi na minha vida foi em uma viagem que fiz ao Marrocos em 2007 e que incluía um tour pelo Sahara. (Já no site Rotaway)
Visitaríamos Merzuga, umas dunas magníficas na entrada do grande deserto onde nos hospedaríamos em um campo Berbér e teríamos que pilotar por 60 km fora de estrada. Precisaríamos pilotar em pé para poder baixar o centro de gravidade da moto e ter mais estabilidade, sobretudo, porque viajávamos com motos muito carregadas.

Eu estava viajando em solo mas um amigo e grande parceiro de viagens, Cláudio Giacosa, um bravo italiano, viajava com sua esposa em uma GSA.

Cláudio e sua mulher fizeram os 60 km em pé nos estribos, ambos, em uma perfeita sincronização naquele terreno traiçoeiro entre poeira e areia.

Ela, em pé, segurava firmemente o cinto de seu marido enquanto pilotavam com destreza e segurança através do Sahara.

Devemos levar em conta que a moto muda de atitude quando temos o passageiro e o extraordinário prazer de rodar a dois exige alguns ajustes na motocicleta, como a pressão dos pneus ou a regulagem da suspensão.

Você deverá ajustar as suas distâncias de aceleração e frenagem ou mesmo, o tempo de ultrapassagem que já não será mais o mesmo.

Sua passageira, em suma, deverá estar confortável e a melhor maneira de chegar a isso cabe a cada um de nós descobrir.

O que eu sei é que, compartir a maior parte de minhas viagens com minha companheira de toda a vida, acrescentou algo misterioso e importante em nossa relação:



A cumplicidade. Somos culpados de muitos quilômetros juntos.
Boa estrada e grandes viagens a dois para vocês.

Ricardo Lugris

França, 16 de Novembro de 2010


Fale com Ricardo Lugris
ricardolugris@rotaway.com.br

domingo, 17 de abril de 2011

De novo!!!

Hoje nosso passeio foi por Brasília. Alguns devem estar pensando : “De novo!!??”. Pois é , repetimos alguns pontos que visitamos em um passeio anterior, mas a impressão que tivemos é que era uma passeio diferente. Pra começar o nosso Moto Grupo hoje estava em maior número, com oito Miragens, metade dos motociclistas estavam bem acompanhados, ou seja com suas digníssimas mulheres, o que com certeza deixou nosso passeio muiiiiito mais legal.
Acordamos cedo, combinamos de nos encontrar no segundo ponto de encontro que foi no Memorial Jk. Quando chegamos o grupo já estava lá. Aproveitamos para tirar fotos , conhecer Mirageiros novos e logo em seguida demos início ao nosso roteiro.


Foi tudo muito tranqüilo, com um sol gostoso e um ventinho fresco, perfeito para um passeio pela cidade. Um dos motivos para a escolha deste roteiro é que temos um integrante novo em nosso grupo que esta morando em Brasília a menos de um ano, ele é da Bahia e brevemente e estará postando sobre sua viagem da Bahia até o o Distrito Federal aqui no nosso blog. Uma viagem segundo ele e sua esposa decidida de última hora






Demos uma paradinha na Catedral de Brasília, depois na Esplanada, no Palácio da Alvorada e cada paradinha era uma troca de idéia sobre o nosso Moto Grupo Mirageiros do DF.
Nesses passeios é comum ver o pessoal admirando nossas motos ,fazendo perguntas sobre ela, o grupo. Teve uma mulher hoje que até pediu para tirar foto na moto!!!! É legal este contato .






Passamos pelo Shopping Iguatemi e também pela barragem do Paranoá em que o trajeto tem lugares lindos de se ver, só não paramos porque fizeram uma manutenção no asfalto e ficou sem acostamento. Demos uma parada no Parque Ecológico Dom Bosco , e seguimos para o Polo Artesanal, que parece ser interessante durante a semana , pelo o que nos disseram.







Aproveitamos e fomos ao Pontão Sul, que eu adoro, lá foi nossa despedida, com a promessa de nos reunirmos ainda esta semana para assinarmos a ata para oficializar nosso Moto Grupo Mirageiros do DF

Queremos agradecer a todos os amigos que compartilharam nesta manhã tão bacana e convidar outros motociclistas que apesar da vontade de participar dos nossos encontros , vão deixando, deixando e perdem este prazer que é compartilhar a paixão pelo moto turismo,a oportunidade de conhecer pessoas, trocar idéias, dicas.
Não posso deixar de dizer que nosso amigo Mendonça e Vera fizeram falta hoje, mas o legal é que eles estão curtindo a sua moto em Caldas Novas. Casal esperto este!!!!Rsrsrsrsrsrs
No mais pessoal é desejar a todos uma ótima semana , espero logo estar postando mais novidades
Não deixem de acessar a Página Oficial do Moto Grupo Mirageiros do DF e de participar do nosso grupo